Crítica: Cinquenta Tons Mais Escuros

Por Redação Wolfoxy - em Cinema - 10 de março de 2017

Quando pensamos em cinquenta tons mais escuros vem a grande fama do seus antecessores, um filme “quente” com fortes referencias sexuais explorando um lado que querendo ou não todos um dia queremos explorar, apostando no diretor James Foley para a continuação, Cinquenta Tons Mais Escuros. O diretor entende o potencial do material de E.L. James – que sempre foi comportado demais para virar um softcore decente – e cria neste segundo filme uma farsa perfeita para os nossos tempos de cinismo.

Cinquenta Tons Mais Escuros – James Foley

O filme

A primeira cena, um flashback da infância de Christian Grey, marca o ocorrido e descoberta do gênero , um  narrativo para sintetizar o conflito que agora marca a vida de Anastásia e Grey, namorados que em momento algum deixam de lado suas diferenças para um único objetivo(você pode imaginar qual). O flashback, porém, parece muito mais próximo de um filme de suspense do que de um drama – a ameaça que busca o garoto debaixo da cama, bem sombrio.

Cinquenta Tons Mais Escuros – James Foley

Sombrio mesmo, como o início desta continuação logo relembra. A sequência do pesadelo de Grey é diretamente relacionada aos seus traumas de infância, segundo a cartilha puritana, “alguém normal não pode ser afeito ao sadomasoquismo.” .

Só que, agora, a dinâmica do casal muda. Menos ingênua que no primeiro , Anastásia possui um certo controle sobre o  relacionamento. Da mesma forma,  as ousadias a serem adotadas entre quatro paredes, estabelecendo regras para o sempre autoritário Grey.

O filme consegue te provocar ansiedade, suspense e até mesmo tirar algumas risadas em certas parte. As cenas eróticas são bem controladas por luzes e efeitos, que acabam tirando a essência passada pelo trailer. Ao contrario de muitos reviews eu particularmente gostei do filme, me despertou tal desejo de continuação.

Por fim, achei que a trama do chefe e da ex poderiam ser extensas , elas trariam um clima mais intenso que se esperava, com muitas cenas eróticas claro. Se no 1º filme teve aquela sensação de “sera?!?”, dessa vez o final deixou aquela sensação de “Quero logo a continuação”.

3.9/5.0 – Bom