Você sabe o motivo para o furo na tampa da caneta BIC?

Por Redação Wolfoxy - em Ciência - 11 de março de 2017

As vezes, uma grande invenção tecnológica pode estar na palma de nossas mãos sem a gente sequer se dar conta disso. Você já deve ter usado muitas canetas esferográficas na sua vida – inclusive mastigado sua tampa, como qualquer pessoa normal. Mas você já reparou que no topo dela existe um buraquinho? E você faz ideia do motivo para ele estar ali?

Na questão Física, o buraco impede que seja criada uma pressão que dificulte a colocação da tampa na caneta. Além disso, ao deixar a pressão igual à do exterior do invólucro, esse furo impede que a caneta seque ou que a sua tinta vaze. Só que existe uma razão muito mais brilhante para a existência desse buraco.

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

 

Como falamos logo no início, é perfeitamente comum as pessoas mastigarem a tampa da caneta e, por isso, acabarem a engolindo acidentalmente. Se a tampa não tivesse o furo, a chance de uma obstrução total das vias aéreas seria maior. Com o buraquinho, a circulação de ar está mais garantida, impedindo que alguns azarados acabem morrendo sufocados. Ainda assim, só nos EUA cerca de 100 pessoas por ano perdem a vida em acidentes desse tipo – número que era muito maior antes de o furo existir.

E o buraco do lado da caneta, pra que serve?

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Resolvendo esse mistério, dizem que o furinho nas BICs são muito mais funcionais que qualquer um de nós poderia imaginar. Isso porque eles foram feitos para controlar a pressão atmosférica dentro e fora desses objetos e evitar que eles simplesmente estourem durante o uso em lugares altos, como em prédios ou dentro de um avião. Útil, não?

Conforme contam por aí, foi esse furinho o grande responsável pela popularização da marca, ainda durante a Segunda Guerra Mundial. Isso porque, ao contrário de nós, os militares da época sabiam qual era a função do buraco na lateral das canetas e as tinham aos lotes, para evitar sujeiras e possibilitar que continuassem escrevendo com segurança quando estivessem no ar.